Arquivos gestante -

Diástase Abdominal

Neste texto vou escrever sobre um tema relevante para as mulheres, principalmente aquelas que já viram a sua barriga quadruplicar de tamanho no final da gestação, a DIÁSTASE ABDOMINAL. A diástase do músculo reto abdominal (DMRA) consiste no afastamento da musculatura abdominal que ocorre durante a gestação e persiste no período puerperal. Trata-se de uma condição que pode gerar desconforto e dores lombares. (De SOUSA, et al., 2017).

Muitas de vocês já perceberam que após uma gestação nosso abdome parece que não é mais o mesmo, e isso é uma grande verdade. Se você iniciou a gestação com peso adequado e assim também a concluiu com ganho adequado (+8-12Kg), após o nascimento a barriga estará mais inchada por alguns dias, mas logo volta a ser muito próximo do que era antes, geralmente em menos de quatro semanas, principalmente se você conseguir amamentar. Normalmente é percebida no terceiro trimestre de gestação ou no puerpério imediato. Depois desse período que chamamos de puerpério tardio (após 15 dias do parto), você pode começar a perceber que a musculatura do reto abdominal estará mais “afastadinha”. Se esse afastamento for maior do que 2 cm, damos o nome de diástase da musculatura reto abdominal (DMRA) e provavelmente você precisará de técnicas de treinamento físico e reabilitação para voltar a ser como antes. Mas, claro, depois de um barrigão, nunca mais essa musculatura estará na proximidade que era antes de engravidar.Para as mamães mais cheinhas, que começaram a gestação com sobrepeso ou obesidade, e também para aquelas que ganharam peso excessivo durante a gravidez, a diástase abdominal pode ser muito maior. Aliás, ela já poderia existir mesmo antes da gestação, pois o abdome era distendido pela quantidade de tecido adiposo presente. As mulheres nessa condição podem precisar de procedimentos cirúrgicos com mais frequência e poderão apresentar episódios de dores lombares recorrentes.

FATORES DE RISCO PARA DMRA:

  • Obesidade
  • Multiparidade
  • Gestações Múltiplas
  • Macrossomia fetal
  • Flacidez prévia da musculatura abdominal
  • Polidrâmnio

Para o diagnóstico da diástase abdominal deve-se posicionar a paciente em decúbito dorsal, com os membros inferiores fletidos e a sola dos pés ao solo, com os membros superiores estendidos e próximos ao tronco (posição para realização do exercício de abdominal simples). Solicita-se a mulher que realize a flexão anterior do tronco até que as escápulas percam o contato com o solo. Nessa posição deve-se manter a isometria enquanto o avaliador posiciona uma das mãos na linha médica (sobre a cicatriz umbilical), horizontalmente, realizando leve pressão. Caso haja afastamento da musculatura é possível perceber e aferir a distância provável. Como anteriormente descrito, o afastamento maior do que 2 cm ou, mais ou menos 2 dedos, são relevantes e merecem avaliação mais profunda. Sugerimos na DoctorFit, quando identificada essa situação, a realização de exame de imagem (ultrassonografia da parede abdominal).

A pergunta que recebo sempre é como melhorar dessa condição sem precisar de cirurgia? Existem estudos que comprovam três metodologias efetivas para a redução da DMRA:

1. Intervenção fisioterapêutica ou do profissional de educação física: execução de exercícios de reeducação respiratória e aqueles que estimulam a contração da musculatura abdominal, adutores e assoalho pélvico, a partir de 30  dias de sessões de treino 3 vezes por semana.

2. Eletroestimulação: correntes de estímulos de baixa intensidade reduzem a DMRA melhorando a qualidade da contração muscular quando aplicado na inserção e origem da musculatura abdominal, em um período de pelo menos 6 semas com sessões de 20 minutos, três vezes por semana.

3. Ginástica hipopressiva: um recurso de baixo custo e fácil aplicação que pode ser feito em casa, 1 vez ao dia, por 15-20 minutos.

Mas, assim como tem atitudes que podem melhorar a sua diástase abdominal, por outro lado, algumas situações podem piorar como: má postura, excesso de peso (principalmente com acúmulo de gordura abdominal) e pranchas e exercícios em decúbito ventral (sem o apoio do abdome no solo ou outra superfície).

Melhorar dessa condição vai depender do empenho da puérpera! Você se sente preparada?


Abaixo exemplos de exercícios que você já pode começar a fazer!